Seja sempre bem-vindo e aproveite para visitar nossas outras páginas


Babosa - Aloe Vera

AS CURAS DE FREI ROMANO

OBS: este texto não pertence nem foi sugerido pela Forever Living Products, mas está publicado sob nossa exclusiva responsabilidade, no sentido de melhor exemplificar as curas que podem ser conseguidas pelo uso deste ALIMENTO NATURAL, a partir dos testemunhos de uma conhecida autoridade religiosa.
 
Segundo o Frei Romano Zago, português, a Aloe Vera (babosa) é uma das plantas curativas mais perfeitas que encontramos na natureza, sendo que, dos 22 aminoácidos de que o nosso organismo precisa, ela contém 18. Além desse e de outros benefícios, a planta fortalece os sistemas imunológicos debilitados.
 
Frei Romano afirma que a planta tem curado muitos tipos de câncer: no cérebro, pulmão, fígado, intestino, garganta, mamas, útero, ovário, próstata, rins, pele e leucemia. Ele conta o caso de um paroquiano, com câncer na próstata e desenganado pelos médicos, que recebeu os sacramentos finais e utilizou a babosa por sua sugestão. Esse senhor está vivo e com seus 80 anos.
 
Diz ele:
 
  • Diante do sucesso do meu primeiro caso, comecei a aplicar a fórmula em vários outros, sempre com êxito. Quando fui trabalhar na Terra Santa, encontrei por lá também um imenso campo. E as curas foram se sucedendo às dezenas. Uma religiosa, diretora de colégio, tinha um tumor no útero, de tal volume que os médicos do Hospital Hadassah não lhe davam mais de duas semanas de vida; um outro senhor, tinha câncer na garganta e só engolia por sonda; uma senhora, tinha câncer nos rins. Desenganados pelos médicos, eles continuam vivendo.
  • Mas o caso mais comovente foi o de Geraldito, um garoto argentino de cinco anos, que tinha leucemia. Os pais o levaram à Espanha, onde fez transplante de medula. Inútil. No auge do desespero, foram até Belém. Diante da gruta da Natividade, rezaram: "Aqui a vida apareceu diante dos homens". E choravam muito: "Como pode ter nascido a Vida aqui se em breve teremos que entregar nosso filho á morte?" Chamaram-me. Embora a situação me parecesse extrema, a ponto de duvidar da eficácia da babosa, tranqüilizei-os: "Enquanto há vida, há esperança." Depois de um mês, ele veio me visitar com seus felizes pais, e com sua vela acesa na mão, quis participar da procissão dos freis. Tomou uma segunda dose e, um mês depois, voltou a Buenos Aires.
Além do câncer a babosa cura outras doenças, como alergias, aftas, asma, anemia, cólicas, cãibras, artrose, queimaduras, insolação, doenças da pele, gangrena, diabetes, hemorróidas, furúnculos, feridas venéreas, infecção da bexiga e rins, reumatismo e insônia, dentre outras. Não cura a AIDS, mas freia, trava o processo, afirma Frei Romano. Durante o tratamento com a planta, podem ocorrer reações estranhas, ou seja, a pessoa pode ter coceiras, pequenas manchas na pele e coisas do gênero (vide abaixo ).
 

Atenção:

  • o preparo caseiro da babosa, com casca (assista vídeo acima), não deve ser tomado de forma continuada, mas apenas umas quatro vezes por ano. Aos que são portadores de câncer, aconselha-se um intervalo de 15 dias.
  • desaconselha-se este preparo para as gestantes e mães que amamentam. É que a casca da planta possui uma substância chamada Glicosidio barbaloin (vide abaixo), que age sobre as células do intestino grosso, podendo provocar parto prematuro, por causa do possível aumento de contrações do útero.
O CÂNCER TEM CURA ?
 
Numa grande percentagem de casos, o câncer tem cura. Como? Usando os poderes curativos de uma planta muito comum entre nós: a ALOE VERA, vulgarmente conhecido como BABOSA (deita uma baba) ou ALOÉS. A floração dá-se no inverno e as flores são vermelhas e amarelas.
(Pequeno resumo das conferências proferidas por Frei Romano Zago, Sacerdote Franciscano, sobre este tema, em Odivelas, São João do Brito - Lisboa, Coimbra e Porto.)
 
Texto extraído da Folha do GEBRA, do dia 25 de março de 1996.
 
A casca, conforme as pesquisas científicas, contém toxinas, devido ao que a pertinência da observação do Frei Romano. Veja detalhes no artigo, "Fatores a Considerar na Escolha, de onde extraímos:
 
Qual o teor de casca no suco ? Este teor influenciará e restringirá o uso do produto, porque o organismo humano não digere a celulose, que é o maior componente da casca da ALOE. Caso o teor de casca seja alto uma restrição, por exemplo, seria tomar o suco durante um período e ficar sem tomar no outro, para dar chance ao organismo de eliminar a celulose consumida.
 
Qual o teor de "aloína"? O produto pode ter, no máximo, 6% de aloína em sua composição. Mais do que essa percentagem, aparecem efeitos colaterais indesejáveis e contra-indicados.
 
FATORES IMPORTANTES A CONSIDERAR NA ESCOLHA DO SUCO DE ALOE VERA
 
Antes de adquirir um Suco de Aloe Vera, devem ser considerados vários fatores, que vão influenciar decisivamente nos resultados que se espera obter, ao utilizá-lo como complemento nutricional. São eles: procedência, composição e embalagem.
 
Esses fatores são de grande importância, pois deles depende se o suco escolhido trará ou não resultados benéficos para a saúde. Deve-se conferir a procedência, a composição e a embalagem, para se ter a certeza de qual será a vida útil do produto e se os resultados esperados poderão ser atingidos.
 
Sem esta avaliação, pode-se ficar a mercê de produtos que prometem mas não cumprem. De que adianta gastar dinheiro e tempo, tomando um suplemento com o qual se espera obter melhor saúde e, no final, não se conseguir nenhum resultado ?
 
1. Procedência: quanto à procedência, deve ser observado:
1- Qual o TIPO de ALOE VERA ? São mais de 240 tipos catalogados e os mais conhecidos e usados pelas indústrias são:
 
  • Aloe Vera Barbadensis Miller, também conhecida como Linne,Vulgaris, ou Curaçau, ou Aloe Vera Perryi Baker, ou Socotrina ou Zanzibar;
  • Aloe Vera Ferox ou Cape Aloe (é uma árvore);
  • Aloe Vera Saponária ou Arborensis, muito usada no Japão, para cosméticos.
De acordo com inúmeras pesquisas, a ALOE que tem o maior teor medicamentoso é a Barbadensis Miller, que é chamada de "a verdadeira Aloe" e que possui a maior quantidade de gel.
2- Para ser usada como suplemento nutricional, na forma de SUCO (uso interno), os estudos se restringem a duas espécies: Barbadensis Miller e Arborensis.
3- As pesquisas realizadas sobre o uso da ALOE VERA, em geral, concluem:
 
  • uso interno e externo, com ressalvas para o tipo Arborensis, quando ingerida.
  • sem efeitos colaterais, para uso interno, quando usada SEM A CASCA e uso externo sem problemas (com ou sem casca), para o tipo Barbadensis Miller.
4- O LOCAL DAS PLANTAÇÕES é outro fator de grande peso para se ter um produto bom e confiável:
 
  • O tipo de solo onde está plantada a Aloe, já foi utilizado para outra cultura agrícola? Como era tratado (com agrotóxicos, pesticidas, herbicidas) ?
  • Na atual plantação, qual o nível de toxinas a que estão expostas as plantas ? Existem plantações próximas, onde se faz uso de agrotóxicos ? Esses produtos atingem as plantações de ALOE pelo lençol freático ou pelo vento ? A plantação está muito perto da poluição de cidades ou estradas ? Como se combatem as pragas ?
  • A Aloe precisa ser cultivada em um ambiente limpo para poder desenvolver suas características benéficas ao nosso organismo. Se o ambiente é demasiado impróprio (toxinas), ela perde a força se defendendo deste ambiente.
  • Qual o controle de qualidade que se pratica ? Existe fornecedor único ou são várias plantações diferentes que vendem para o fabricante? Que idade têm as plantas de onde são tiradas as folhas? O amadurecimento (ponto biológico) é fundamental para se ter um produto eficaz !
5- Outro fator importante é a DISTÂNCIA que se tem entre as plantações e o local onde a ALOE é industrializada. Como ela se oxida muito rápido, a distância, o modo como é colhida, o ambiente da fábrica, o maquinário e a maneira como é processada e estabilizada,contribuem para a perda de ingredientes de valor inestimável para o corpo.
 
6- Qual o órgão que controla ou atesta a qualidade do produto ? Possui o selo do IASC (Conselho Científico Internacional da Aloe), que é atualizado anualmente e que comprova,tanto a procedência como a qualidade do produto ? Tem aprovação de entidades extremamente rigorosas no quesito QUALIDADE, tais como KOSHER (judeu) e ISLAMIC SEAL (muçulmana) ?
 
Todos esses quesitos, relativos à procedência da Aloe, são importantes para se ter a certeza de que o suplemento nutricional foi feito de uma planta adequada e sem perder suas propriedades.
 
2. Composição: segundo ponto ao qual se deve prestar muita atenção:
1- Qual a porcentagem de Aloe na composição final do produto? Quanto maior a quantidade de gel, melhor será a resposta do organismo à ingestão desse suplemento.
 
2- Qual o teor de casca no suco ? Este teor influenciará e restringirá o uso do produto, porque o organismo humano não digere a celulose, que é o maior componente da casca da ALOE. Caso o teor de casca seja alto uma restrição, por exemplo, seria tomar o suco durante um período e ficar sem tomar no outro, para dar chance ao organismo de eliminar a celulose consumida.
 
3- Qual o teor de "aloína"? O produto pode ter, no máximo, 6% de aloína em sua composição.Mais do que essa percentagem, aparecem efeitos colaterais indesejáveis e contra-indicados.
 
4- Qual a quantidade de água adicionada ao produto? É um suco ou um refresco? Quanto mais água, menor a resposta do organismo. A Água somente aumenta o volume do produto e não as suas propriedades.
 
5- É 100% estabilizado? Ou seja, no processo de estabilização não se perdeu nada da sua composição original ? Não foi adicionado nenhum produto químico ou sintético que possa modificar, ou mesmo eliminar as propriedades da Aloe ?
 
6- Quantos ingredientes fazem parte deste suplemento? Quanto mais puro melhor!!! Todas estas perguntas devem ser feitas antes de se adquirir um suco de ALOE, para se ter a certeza de estar consumindo algo de real valor para a SAÚDE do corpo.
 
3. Embalagem: esse terceiro ponto é importantíssimo. Ele dirá por quanto tempo você terá um bom produto em suas mãos:
 
1- A embalagem não pode jamais ser feita de um material que deixe passar calor ou luz, por exemplo vidro, plástico ou celulóide. A ALOE perde as propriedades quando exposta ao calor e a luz.
 
2- Qualquer metal que fique em contato com a ALOE, tanto na tampa como no frasco, faz com que ela se oxide rapidamente. A oxidação altera toda sua composição, fazendo com que as vitaminas, minerais e enzimas se percam totalmente.
 
3- A maneira como foi lacrada a embalagem assegura uma vida útil maior ou menor, e dela depende a segurança de que o produto chegou às suas mãos exatamente como saiu da fábrica.
 
4- 0 prazo de validade do produto está totalmente ligado à embalagem e ao seu lacre.
 
Conclui-se, portanto, que vários fatores têm que ser levados em conta, pois influenciam profundamente o resultado a ser obtido com o uso da ALOE como complemento nutricional: Procedência, Composição e Embalagem. Eles são de grande importância para assegurar-se de:
 
  • não correr riscos de ter efeitos colaterais indesejáveis;
  • que o produto adquirido tenha uma vida útil, de acordo com a quantidade adquirida;
  • que os resultados esperados pelo organismo sejam seguros;
  • que o prazo de validade esteja dentro dos padrões pré-estabelecidos pelo órgãos competentes;
  • e, principalmente, que a relação custo/benefício (preço x resultado) oferecida pelo produto seja JUSTA.
Quando as pessoas vão às compras, sempre escolhem os melhores legumes, as frutas mais bonitas e os produtos de melhor qualidade para as suas famílias, a um preço justo!
Este mesmo cuidado e atenção deve-se ter em mente ao se escolher um suco de ALOE VERA.
 
Bibliografia:
 
- Aloe Vera - uma planta milagrosa - Equipe de Investigações Nova Era.
- Aloe Vera - Natureza e Bem Estar - Equipe de Investigações Nova Era
- Aloe Vera - A planta de propriedades milagrosas - Alasdair Barcroft
- The Essencial Aloe Vera - Dr. Peter Atherton
- The Health and Medical Use of Aloe Vera - Dr. Lawrwnce Plaskett
- Le Docteur Vert - Robert Dehin.
 
 https://www.nossosaopaulo.com.br/AloeVeraForever/FLP_AloeVera.htm
Câncer Tem Cura - Frei Romano Zago - Editora Vozes  >>  baixar livro em PDF 2.3 MB 


Contato

PortalSaúde6